quinta-feira, 27 de julho de 2017

(C)Antigamente

Jardim Botânico da Universidade de Coimbra. Outubro de 2016.
Esta cidade, amor da minha vida, que me beija ao amanhecer e me aconchega ao sol-pôr, fez de mim um Bem-Me-Quer com pétalas de um branco sereno e meigo. Abraçada pelo verde natural que a envolve, como que um botão de rosa imaculado, tornou-se uma parte de mim. Uma grande parte de mim. Sorte em tê-la para a vida!

Se eu deixar que aconteça, sei que nunca deixará de me surpreender! Bastará abrir o meu coração ao Mondego e a minha alma a Coimbra e é certo que me vou apaixonar novamente pelos seus encantos, pela enésima vez! Quanto mais a conheço, mais vontade tenho de a conhecer mais e melhor!

Do Botânico, daqui, de onde estou, vejo um mundo novo! Um mundo onde me repito a cantar os sonhos da criança que fui e onde recordo o que e quem me ajudou a chegar até aqui. Onde agradeço em silêncio a quem fez e a quem ainda faz parte da minha educação. Aos Amigos e aos Mestres que o foram também!

Os bons dias a Coimbra, que me são essenciais, fazem parte de uma tentativa de eternizar aquilo que é efémero, de fazer durar no tempo aquilo que me escapa entre os dedos como grãos de areia dourada e delicada.

3 comentários:

  1. É impossível ler os teus textos sobre Coimbra e não se ficar rendido *.*

    r: Muito obrigada!

    Acredito. Adorava ter ido, mas foi impossível. Já tive a oportunidade de ver algumas fotos/vídeos e fiquei encantada.

    ResponderEliminar
  2. r: Verdade!

    Sim, há motivos mais complicados do que outros, que nos obrigam a permanecer acordados, mesmo contra a nossa vontade.
    Muito obrigada *.*

    ResponderEliminar
  3. r: Muito obrigada, minha querida!

    Tens mais uma desculpa para voltar :) gostei imenso, tanto ao nível da comida, como ao nível de espaço em si.

    ResponderEliminar

Obrigada pela tua visita :)